25/07/2011

Morre uma cantora, lucra um traficante...

Sabado foi confirmada a morte da inglesa Amy Winehouse. Artista talentosa, mas que, como a maioria dos que se metem com drogas, nao soube se recuperar.
Musicalmente eu nao tinha nada contra nem a favor. Nao era o estilo que me agradava, nao eram musicas que eu teria em mp3 no meu PC, mas se alguem colocasse pra tocar, ou desse no radio, eu nao acharia ruim.
Eu nao fiquei arrasado, mas saber que ela morreu me entristeceu um pouco, isso porque a culpa serão das drogas e dela. E nao do bagaceira que vendeu as drogas pra ela. Nao dos caras que ganham rios de dinheiro movimentando essas drogas enquanto eu e voce, que le agora, nos preocupamos em trabalhar.
OK, ela tambem nao teve forças mas... e ai? Se ela usava droga, é porque alguem vendia pra ela. Se alguem vendia, ganhava dinheiro. QUem ganha dinheiro, ganha pra usufruir dele. Entao, porque a culpa é so das drogas e da Amy? Porque os meios nunca sao culpados?
A politica de "se nao houver quem compre, quem vender nao lucra" é furada porque o produto em questao é viciante. Eu acho que deveria ser o contrario. Se nao tiver quem venda, quem é viciado nao compra, e, PRINCIPALMENTE, nao compartilha com outras pessoas que viram novos viciados.
Como nao ter quem vende? Ai é que esta.
EU sou a favor da pena de morte.
"aaaah mas pena de morte nao, o Estado nao tem direito de tirar a vida de ninguem".
É, mas ai continuamos assim... morre uma cantora, lucra o traficante...