31/08/2010

eleições 2010

Esse ano tem eleição de novo. Excesso de partidos, candidatos que mal sabem disfarçar que estao lendo seu discurso pronto na TV, partidos pequenos com horarios reduzidos. Tenho uma serie de ideias de como poderia ser o nosso processo eleitoral:
- Propaganda Eleitoral Gratuita
de que adianta alguem ser de um partido que seja diferente dos demais se na hora da divisao das cotas da TV, a fatia é bem pequena? A ideia de isonomia, de ajudar os que podem menos é convenientemente inexistente no mundo da eleição. Quer um horario maior? Se venda a algum partido grande. Minha ideia é que deveria, após o fim das inscrições de candidaturas, ser feita uma divisão IGUAL para todos os partidos, se existem 10 partidos, cada partido recebe um tempo igual, e dai cada partido que se vire a dividir o tempo entre seus candidatos de categoria.
- Voto majoritario para deputados
Quem nao lembra em 2002 quando o neofacista Eneas Carneiro, hoje falecido, elegeu-se deputado em São Paulo. ganhou tantos votos que a regra eleitoral permitiu a vitoria nas leições de um outro candidato do mesmo partido, que recebeu 6 votos. Para mim isso é o cumulo da grande brincadeira que são nossas eleiçoes. Penso que deveria ser por voto majoritario, entra quem for mais votado e pronto. "ah mas isso é so pra deputado, vereador"... isso mesmo, simplesmente os caras que criam as leis em NOSSO NOME. Penso que se alguem tem carisma o bastante para ganhar votos de um Maracanã inteiro, esse valor deve sobrepujar o fato de ele ser de partido X ou partido Y, e quem recebe 6 votos, francamente... larga mao de eleição...
- Temas polemicos decididos junto com a eleição
Aborto, casamento homossexual, palmadas pedagogicas, cotas raciais... temos tantos assuntos polemicos que a população é louca para poder opinar. Lembro que o estatuto do desarmamento, com a extinção das posses de armas em casa foi a referendo em 2005, onde o povo brasileiro pode mostrar sua opinião. Porque nao fazemos como os EUA, que quando tem eleição, ja votam tambem nesses temas polemicos, tornando clara sua opiniao a aqueles que irão editar as leis depois? Ja se faz um aparato tao grande para as eleições mesmo, seria economia de tempo e exercicio puro da democracia.
- Voto facultativo
Sou a favor. Votar sempre foi um direito, nunca uma obrigação. Num país com tantas liberdades para criminosos, porque obrigar o voto? Lembrando que são imutaveis o voto secreto, universal e periodico. Mas é possivel torna-lo uma opção do brasileiro. Eu iria votar de qualquer forma, quem não quisesse, poderia ficar de boa em casa, viajar, trabalhar em coisas pessoais, e nao teria que ficar correndo atras de justificar nada, nem de ter que escolher em quem votar. Se o voto é um direito, eu poderia me abster de votar, não é mesmo?
De resto, eu acho que esta bom, o pluripartidarismo é melhor, a meu ver, que o bipartidarismo americano. Posso ser de direita, mas posso ser mais liberal que outros de direita tambem. Opinião nao pode ser taxada em 8 ou 80.
Mas, enquanto meu modelo apodrece esquecido aqui no blog, escolhamos bem em quem votar. E por favor, sem politicagem no meu blog.

07/08/2010

o quartel...

Acho que geraçao nascida nos anos 80, quem mais se ferrou com convocaçoes para quartel foi o pessoal de 1987, que completou 18 anos em 2005. A minha historia no alistamento. Sou gaúcho, mas moro em Campo Grande-MS, onde me alistei, também no ano de 2005, durante o mês de março. Nessa época, nem me passava pela cabeça a ideia de que poderia me incomodar com quartel ou nada disso, tinha de 17 para 18 anos, havia passado na UFMS no curso de direito, enfim, estava muito bem. Em agosto de 2005, dia em que teve um amistoso Brasil x Croacia, me apresentei no quartel onde era a seleção. Tinha gente pra cacete nesse dia, todos foram acomodados dentro de uma sala, com uns videos sobre o exercito, e todos recebiam crachas com um número identificando. Lembro bem do meu, 043. Após uma breve entrevista, onde perguntaram coisas da minha vida pessoal, desde o que fazia ate opção sexual, fui para a fila dos exames médicos. Uma enrolação sem tamanho, depois teve uma serie de testes, onde as questoes eram relativamente faceis, apesar de algumas de mecanica eu nao ter respondido. Ai, acabei optando para inscirção no NPOR, pois os militares me disseram que se eu tivesse que servir, era melhor la do que serviço comum.
Entao, la pela terceira semana de outubro, fui a um outro quartel, durante dois dias, para realização das provas do NPOR. Primeiro, uma enrolação em uma sala, onde passavam videos dos soldados na Amazonia e do Timor Leste, uma lavagem cerebral sem tamanho. Depois, ficamos por quase duas horas em uma fila, sem fazer nada, esperando nos chamarem para os testes.
Naquele primeiro dia foram dois, um de corrida de 100 metros, e salto em altura, passei tranquilo nos dois. No segundo dia, era corrida de 2000 metros e depois 15 flexoes. Nessa eu nao me esforcei, pois nao queria servir, e fiz apenas 8, alegando cansaço. Dai nos foi dito para retornar no dia 26 de janeiro de 2006 para saber o que ia acontecer.
Eis que, nesse dia, me apresento, tava cheio, haviam 5 filas com nomes de ordem alfabetica, que faziam curva no fim do patio e sumiam quartel afora. Pra minha surpresa, ao pegar o CAM, o militar me diz "bem vindo ao HG, jovem". HG é a sigla para o Hospital Geral do Exercito, aqui em Campo Grande.
Então no dia 12 de fevereiro, me apresentei no HG, onde passei por mais exames, entrevista, nesse dia sai cedo ate, mas nos outros dias ficava sendo enrolado ate as 11:30, quase sempre. Eis que no último dia, na sexta, a noticia de que quem nao queria nao ia precisar servir. Fiquei feliz pra caramba.
Após passar o carnaval daquele ano em Bonito/MS, retornei ao HG, onde iria jurar bandeira, no dia 1 de março de 2006, à tarde. Porem, nos enrolaram a tarde toda e, enfim, nos noticiaram que as dispensas haviam sido canceladas, sendo que deveriamos voltar ao quartel dia 1 de julho.
Muito puto, passei os meses seguintes sempre incerto quanto ao futuro. Entao, no dia 15 de maio de 2006, recebo uma ligaçao, do quartel, com a noticia de que deveria me apresentar la dia 22 de maio, no HG, para passar novo processo de seleção(detalhe, eu tiha exame pratico no DETRAN nesse dia, mas tive que desmarcar). No dia seguinte, chegou a cartinha do Ministério da Defesa, que guardo ate hoje como simbolo dessa historia toda.
Dia 22 de maio de 2006, me apresentei, havia uns 50 e poucos caras la, foi noticiado que eles pegariam 35 daqueles para servir. Somando voluntários e desempregados, sem faculdade, davam 23 pessoas. O resto viria dos aptos sobrando, sendo que os primeiros eram os universitários sem emprego, onde eu me incluia na epoca. Desse dia em diante, quem assumiu as coisas la era o capitão, o que me deixou esperançoso sobre a seriedade do tramite. Foi pior ainda. O cara era um enrolão brabo, cheio de migué. Foram 2 semanas de tormento, terrorismo, medo, enfim, um inferno que eu nao desejo pra ninguém. Eis que no dia 31 de maio, o capitao informou que somente quem quisesse ia servir. Ai no outro dia, fui para marcar o dia de pagar a dispensa.
Ficou pro dia 22 de junho, paguei a taxa e ficou marcado para um dia de julho, bem onde eu iria fazer o exame do DETRAN remarcado. Dai falei la na junta e eles me remarcaram para o dia 18 de agosto de 2006.

4 anos...

Bah... 4 anos e as coisas estao acontecendo de novo... o Inter esta na final de Libertadores. Enquanto muitos consideram os anos anteriores perdidos, sobretudo 2009, eu acho que todos eles tiveram papel preponderante para os acontecimentos de hoje. Sabemos, por exemplo, que ganhando esse ano, em 2011 nao pode entrar com um time sem reservas qualificados e ainda por cima escala-los no lugar dos jovens craques.
Mas isso é pra depois, o importante é que agora o Inter tirou o Sao Paulo mais uma vez da Libertadores. As diferenças sao interessantes, dessa vez, em dado momento do jogo, teriamos penaltis. Em 2006, apos o primeiro gol de Sobis, a taça estava sempre com o Inter. Da outra vez, vi os dois jogos em casa. Esse ano, estava recem operado (varicocele), nao podia levantar a cabeça por causa da anestesia, de modo que se "ouvi" o jogo pela TV.
Mas o que importa é que de la pra ca, muita coisa boa rolou na minha vida particular. Se for assim sempre, 4 em 4 anos meu time ganha o mundo, e o meio tempo eu curto, esta perfeito.